Os acasalamentos mais estranhos e curiosos do reino animal

0 comentário 19 visitas
A+A-
Repor

Existem muitas espécies de animais com acasalamentos estranhos e únicos. Deixamos aqui apenas alguns exemplos.

Polvos-dumbo

Os polvos-dumbo têm um acasalamento que pode parecer bastante violento e bizarro aos olhos humanos. Os machos usam um dos seus tentáculos modificados (chamado hectocótilo) para transferir esperma para a fêmea. O hectocótilo se desprende do corpo do macho e se move independentemente em direção à fêmea. O macho então usa o resto do seu corpo para proteger o hectocótilo e garantir que a transferência de esperma seja bem-sucedida.

Além disso, o polvo-dumbo é um dos poucos animais, com um sistema reprodutivo que permite a autofecundação, ou seja, podem se reproduzir sozinhos se não encontrarem um parceiro adequado.

Hienas

As hienas possuem um sistema reprodutivo único, e o acasalamento entre elas pode parecer bastante estranho para nós, humanos. As fêmeas possuem um clitóris alongado e expandido, semelhante em tamanho e forma ao pénis masculino. Durante o acasalamento, a fêmea pode inserir o seu clitóris na abertura genital do macho, permitindo que ocorra a cópula.

Este processo é conhecido como pseudocópula, e pode durar de alguns minutos a várias horas. Embora as fêmeas sejam as dominantes nas relações sexuais das hienas, o processo não é necessariamente agradável para elas. O clitóris da fêmea pode se romper durante a pseudocópula, e ela pode sofrer lesões graves.

Além disso, as hienas fêmeas têm um sistema de hierarquia social bastante rígido, e a fêmea dominante tem acesso preferencial aos machos. O acasalamento entre hienas, portanto, pode envolver competição acirrada entre as fêmeas para garantir o acesso aos melhores parceiros.

O acasalamento das hienas pode parecer bastante incomum e estranho para nós, mas é um aspecto importante do comportamento reprodutivo desses animais fascinantes.

Hiena

Aranhas viúvas-negras

O acasalamento das aranhas viúvas-negras é outro exemplo de comportamento reprodutivo estranho e único no reino animal. Após encontrar um parceiro adequado, o macho se aproxima da fêmea com cautela, geralmente trazendo um presente em forma de uma presa que ele capturou. Isso ajuda a diminuir as hipóteses de ser devorado pela fêmea, já que ela pode ficar satisfeita com o alimento e não se sentir compelida a devorar o parceiro.

No entanto, mesmo com o presente, o acasalamento pode ser perigoso para o macho. Depois que a cópula é realizada, a fêmea pode canibalizar o macho, usando-o como fonte de nutrientes para o desenvolvimento dos seus ovos. Este comportamento é mais comum em cativeiro do que na natureza, mas ainda assim é um exemplo marcante de como a reprodução pode ser um processo arriscado para alguns animais.

Além disso, as fêmeas das aranhas viúvas-negras são frequentemente maiores do que os machos, o que pode tornar a cópula ainda mais perigosa para o parceiro masculino. Para minimizar o risco de ser devorado pela fêmea, os machos podem se engajar em comportamentos evasivos durante o acasalamento, como puxar o abdómen para longe da fêmea ou fugir rapidamente após a cópula.

Em resumo, o acasalamento das aranhas viúvas-negras é um exemplo fascinante de como a reprodução pode ser um processo arriscado e até mesmo mortal para alguns animais, mas ainda assim essencial para garantir a sobrevivência das suas espécies.

Os acasalamentos mais estranhos e curiosos do reino animal

Caramujos terrestres

O acasalamento dos caramujos terrestres é um processo interessante e único no mundo animal. Esses moluscos hermafroditas, que possuem órgãos sexuais masculinos e femininos, se envolvem num ritual de dança antes do acasalamento.

Durante o ritual, os caramujos esticam-se, contorcem e tocam a suas cabeças juntos, como se estivessem a dançar. Em seguida, eles começam a trocar esperma, utilizando uma estrutura em forma de dardo que dispara o esperma para dentro do corpo do parceiro.

Após a transferência de esperma, cada caramujo pode pôr até algumas dúzias de ovos, que eclodem em larvas e, posteriormente, em caramujos jovens.

O acasalamento dos caramujos terrestres é um processo bastante simples em comparação com alguns dos outros exemplos mencionados anteriormente, mas ainda assim é fascinante devido à sua natureza hermafrodita e ao ritual de dança envolvido. Além disso, como os caramujos podem se reproduzir sozinhos se não conseguirem encontrar um parceiro adequado, eles têm uma vantagem evolutiva em termos de garantir a sobrevivência da sua espécie.

3.4 / 5. Votos: 14

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este posto.

Artigos Relacionados